Logo

No Banner to display

ARTIGO: Trump e a imprensa

Por / 0 Comentários / 25 julho, 2017

Por Tony Pacheco*

O tema deste encontro é “Os seis meses do Governo Trump e a imprensa”**, por isso, peço licença aos presentes para abrir esta pequena fala com a conclusão de nossa coluna “GiraMundo” de 23 de agosto do ano passado, três meses antes da eleição de Trump. A coluna foi ao ar na CBN, a então rádio de notícias do Sistema Globo aqui em Salvador. Esta coluna talvez possa ainda ser conferida no podcast da rádio. Nós dissemos: “Donald Trump está empolgando a maioria branca que nunca vai às urnas. Se ele não mudar o discurso, terá uma vitória histórica. Gostemos ou não.”

E aí é que está a questão: a imprensa no caso de Trump, nos EUA e praticamente no mundo todo, resolveu TOMAR PARTIDO da candidata democrata, Hillary Clinton, esquecendo (entre aspas) que ela tinha uma rejeição enorme no eleitorado americano. Esquecendo, também, que metade dos americanos não vota, pois não é obrigatório. A maioria branca aproveita o dia da eleição para ir pescar, viajar, fazer churrasco com os amigos. Os brancos são maioria esmagadora, 200 milhões, e a imprensa esqueceu isso. E eles, brancos, mesmo tendo ficado extremamente mais pobres nos últimos 20 anos, foram TOTALMENTE ESQUECIDOS PELOS CANDIDATOS DEMOCRATAS E REPUBLICANOS NAS ÚLTIMAS ELEIÇÕES.

Os candidatos só se lembram dos cerca de 55 milhões de latinos e cerca de 45 milhões de negros, que são muito perseguidos MESMO, só que são minorias e como têm tudo a perder, vão em massa às urnas nos EUA.

Quando toda a mídia mundial dava como certa a eleição de Hillary Clinton, venceu aquele que por quase dois anos era chamado pela imprensa de “ignorante”, “fascista”, “retrógrado”, “racista”, “capitalista desalmado”. E alguém aí poderá dizer: “ah, agora é fácil teorizar sobre isso, a eleição já passou”.

Nós podemos teorizar sobre isso, porque fizemos a coluna “GiraMundo” da rádio CBN por quatro anos e no ano passado, três meses antes das eleições, dissemos várias vezes que Trump iria derrotar a candidata do Partido Democrata porque ele falava à maioria dos americanos que está vivendo o segundo pior empobrecimento de sua história, depois da Grande Depressão.

Leia também: Jornalistas analisam efeitos do governo Trump sobre a imprensa

E aqui queremos dizer: esqueçam a classe média americana que a imprensa, o cinema e a internet sempre mostraram. Há quase 20 anos que a classe média americana vem caindo. Se até meados dos anos 1990, esta classe média foi a campeã de bem-estar no mundo, hoje está atrás da maioria dos países da Europa Ocidental e atrás do Canadá, Japão e Coréia.

Segundo uma matéria do “The New York Times”, nestes primeiros anos do século XXI, 70% dos americanos não estavam felizes com suas vidas.

É AÍ QUE TRUMP ENTROU. ELE FALOU PARA ESTES 70% DE BRANCOS DESCONTENTES QUE NUNCA VOTAM, MAS QUE AGORA, COM O APERTO DA POBREZA ACENANDO PARA ELES, RESOLVERAM PARTICIPAR DO PROCESSO ELEITORAL. Aqui no Brasil, segundo investigamos, a imprensa ignorou o fator branco pobre: só nós na rádio CBN e Ricardo Amorim, no programa “Manhattan Connection”, da Globo News, sacaram isso. A MAIOR PARTE DA IMPRENSA BRASILEIRA E MUNDIAL FEZ COBERTURA PARTIDÁRIA ANTI-TRUMP NA ELEIÇÃO COMO CONTINUA FAZENDO AGORA.

A imprensa brasileira continuou difundindo a fantasia da “América grande” que já não existe mais. Os brancos americanos medianos estão lutando para sobreviver. Eles não têm curso universitário ou fizeram faculdade pública ou faculdade particular medíocre como as brasileiras.

Só 1% dos americanos, menos de 4 milhões de pessoas, têm renda superior a 600 mil reais por ano. Outros 15%, mais ou menos uns 50 milhões, têm renda entre 90 e 400 mil reais por ano.

A maioria, uns 200 milhões de americanos, fica patinando, correndo atrás de empregos melhores E OS EMPREGOS FUGIRAM para países como China, Indonésia, Brasil, Índia, Viet Nam, México. A maioria dos americanos nos últimos 20 anos está mergulhada em impagáveis hipotecas e outras dívidas.

VAMOS MOSTRAR AQUI APENAS TRÊS PONTOS QUE FIZERAM A VITÓRIA DE TRUMP E VÃO IMPEDIR SEU IMPEACHMENT:

1º) a casa própria virou um pesadelo nos EUA. Em Nova York 64% da população é de inquilinos. Em Miami, de cada 10 imóveis familiares, 7 pagam aluguel e apenas 3 são casas próprias. E isto se repete em todas as cidades americanas depois da explosão da bomba imobiliária de 2008. A coisa tá tão feia no setor da casa própria para a classe média branca dos EUA, que entre 2011 e 2015, brasileiros – ACREDITEM, BRASILEIROS! – compraram 2.100 imóveis em Miami e os americanos, muito pouco. Continuam na hipoteca. Isto não é um “case” de insucesso de uma classe média, é um “case” de fracasso dos governos anteriores a Trump;
2º) na área educacional, o cidadão de classe média americano gasta pelo menos 240 mil reais para se formar numa universidade pública ou numa fábrica de diplomas como as nossas. Isto leva a dívida dos jovens americanos com o sistema educacional a 1,5 trilhão de dólares, isto é, o Produto Interno Bruto do Brasil;
3º) Outro indicativo da pobreza dos brancos da classe média americana que a imprensa brasileira se recusou a pesquisar durante a campanha de Hillary contra Trump é o AUTOMÓVEL. O CARRO sempre foi um farol para a inveja do mundo inteiro sobre o estilo de vida superior dos americanos, vide os filmes que chegam até nós: vemos a mocinha chegar ao trabalho na lanchonete numa van luxuosa da Chrysler; ou o mocinho universitário indo às aulas com um Mustang zero. Nada mais falso. A idade média dos carros que rodam nos EUA, atualmente, é de 12 anos. Eu disse, 12 anos… O americano médio não pode mais trocar de carro como é mostrado no cinema. Só para comparar, o nosso pobre Brasil, de pessoas lenhadas e desempregadas, tem carros com idade média de 7 anos de uso apenas. Ou seja, o brasileiro já está posando de classe média mais rica do que a americana.

E ISSO A IMPRENSA BRASILEIRA E INTERNACIONAL NÃO VIU. NÃO VIU QUE TRUMP EXPLOROU EXATAMENTE ISSO EM SUA CAMPANHA. O lema da campanha de Trump foi “MAKE AMERICA GREAT AGAIN”.
Ou seja, “vamos fazer os EUA serem grandes como já foram um dia”. QUÊ AMERICANO BRANCO, VIVENDO A AMEAÇA DA POBREZA, IA RESISTIR A ESTE CHAMADO?

Donald Trump prometeu que ia governar e já está governando nestes primeiros seis meses, para esta maioria BRANCA que vive endividada, pagando aluguel e administrando carros velhos sem poder colocar os filhos numa faculdade decente…

Não há movimento de imprensa, intelectuais ou artistas que tire Trump do poder. SÓ SE ELE CEDER E MUDAR O DISCURSO, mas pela arrogância que ele continua mantendo firme e forte, e pela loucura desenfreada dos desesperados brancos mais pobres, ELE NÃO SERÁ DERRUBADO.

A IMPRENSA ESTÁ FAZENDO COBERTURA PARTIDÁRIA, DE NOVO, NOS EUA E NO RESTO DO MUNDO, INCLUSIVE AQUI NO BRASIL. TODOS PEDINDO O IMPEACHMENT DE TRUMP. Apontam que ele foi ajudado por Putin, o maluco oficial da Rússia, e esquecem que até um poste seria eleito contra Hillary se fizesse o discurso de Trump: FAZER OS AMERICANOS RICOS DE NOVO.

Só quem vai impedir Trump de se reeleger daqui a 3 anos é o próprio Trump, se deixar seu discurso e suas atitudes de lado e começar a rezar na cartilha dos liberais. Se continuar sendo o doido típico DOS BRANCOS da classe média baixa, não só se reelege como ainda faz o sucessor em 2024. E POSSO ESTAR TAMBÉM TOTALMENTE ENGANADO.

Foto: Luiz Hermano Abbehusen

______________________

*O jornalista Antonio Carlos Pacheco (Tony Pacheco) escreve também para o blog “Os Inimigos do Rei“, espaço inspirado no jornal baiano anarquista “O Inimigo do Rei“, criado em 1977 em meio a ditadura militar.

**Esta análise foi apresentada durante o debate “Os seis meses do Governo Trump e a imprensa”, realizado pela Associação Bahiana de Imprensa (ABI), no dia 20 de julho de 2017. Confira matéria sobre o encontro aqui.


comentários

Seu comentário

E-mail (não será publicado)