Logo

No Banner to display

Filme sobre liberdade de expressão marca o Dia do Jornalista na ABI

Por / 0 Comentários / 6 abril, 2018

As mais de cinco décadas de atuação do jornalista João Carlos Teixeira Gomes (82 anos) foram reverenciadas na manhã desta sexta-feira (6), com o lançamento do documentário “A luta pela liberdade de expressão”. O evento foi idealizado pela Associação Bahiana de Imprensa (ABI) como parte das comemorações ao Dia do Jornalista, celebrado em todo o país em 7 de abril. O filme é o segundo volume da série “Memória da Imprensa Baiana” e registra o depoimento de Joca, também poeta e professor, sobre a luta em favor da liberdade, o combate à ditadura civil-militar e a defesa do Jornal da Bahia.

O presidente da ABI, Antonio Walter Pinheiro, abriu a sessão relembrando a origem do Dia do Jornalista – uma data em homenagem ao médico e jornalista Libero Badaró – e saudou a todos os profissionais. “Muitos colegas podem perguntar ‘e tem o que comemorar?’. Eu não tenho a menor dúvida. Temos o que comemorar. Sem uma imprensa livre, sem o jornalismo, não existe um sistema democrático. O transcurso desta data deve orgulhar a todos os jornalistas”, defendeu.

“O jornalista está na ponta de lança. É uma profissão perigosa”, constatou o dirigente, ressaltando que o Brasil chegou a figurar como o quarto país com maior número de mortes de profissionais da imprensa. “Ultimamente esse quadro está mais arrefecido, mas não se pode abaixar a guarda”. Ele falou sobre as funções da ABI e justificou a escolha de João Carlos Teixeira Gomes como a personagem do filme realizado pela ABI, ressaltando a contribuição do “pena de aço” para o jornalismo baiano. “É papel da ABI a defesa da liberdade e é por isso que estamos aqui. É nosso dever a defesa do bom jornalismo e da liberdade de expressão e do pensamento”. O dirigente refletiu sobre os novos meios de comunicação e reafirmou o papel das plataformas digitais. “Estamos conscientes das novas técnicas”.

Em seu discurso de agradecimento, Joca, lembrou sua trajetória no jornalismo e se posicionou contra a corrupção no Brasil, destacando os últimos escândalos no cenário político. “Eu digo com muito orgulho que o que sempre distinguiu a minha carreira jornalística foi a coragem de defender a liberdade de expressão, a liberdade de imprensa e a liberdade de pensamento – três bens essenciais da vida humana na sociedade. Para ele, não existe coisa pior do que a tirania”.

Com grande excitação, ele agradeceu o gesto da ABI. “Essa homenagem que me presta hoje a ABI significa um momento culminante na minha carreira profissional. É uma alegria estar aqui recebendo homenagem tão expressiva, tão marcante, que poucos jornalistas do Brasil podem merecer”.

Série – A série Memória da Imprensa Baiana, idealizada pelo jornalista Agostinho Muniz, foi lançada em 2007 e o volume 1 exibe o depoimento do jornalista Jorge Calmon (1915-2006), saudoso e lendário baiano que dirigiu A Tarde em toda a metade do século XX e nos primeiros anos do século XXI. Assim como esse volume, o volume dois que estreia na véspera do Dia do Jornalista contou com o apoio técnico do IRDEB.

De acordo com Walter Pinheiro, a entidade já planeja o volume três da série. “São muitas figuras relevantes e que merecem ter sua trajetória registrada. Os estudantes e os profissionais de comunicação devem assistir ao filme”, recomendou.

DIA DO JORNALISTA

O Dia do Jornalista “foi criado pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI) como uma homenagem a Giovanni Battista Libero Badaró, importante personalidade na luta pelo fim da monarquia portuguesa e Independência do Brasil”, segundo informações do site Calendarr. De acordo com o sítio eletrônico, Libero Badaró “foi médico e jornalista, e foi assassinado no dia 22 de novembro de 1830, em São Paulo, por alguns dos seus inimigos políticos. O movimento popular que se gerou por causa do seu assassinato levou D. Pedro I a abdicar do trono em 1831, no dia 7 de abril, deixando o lugar para seu D. Pedro II, seu filho, com apenas 14 anos de idade”.

O site acrescenta que “foi só em 1931, cem anos depois do acontecimento, que surgiu a homenagem e o dia 7 de abril passou a ser Dia do Jornalista”. Sobre a data, o site informa também que “foi também no dia 7 de Abril que a Associação Brasileira de Imprensa foi fundada, em 1908, com o objetivo de assegurar aos jornalistas todos os seus direitos”.


comentários

Seu comentário

E-mail (não será publicado)