Logo

No Banner to display

Globo de Ouro 2018: A mulher que bancou o furo do Watergate

Por / 0 Comentários / 8 janeiro, 2018

Todo estudante de jornalismo tem na cabeça um marco que materializa um exemplo profissional a se seguir: Watergate. E a maioria já quis ser como a dupla de incansáveis repórteres Bob Woodward e Carl Bernsteins – responsáveis por desvendar o caso de espionagem política que levou o presidente americano Richard Nixon a renunciar. Ou o editor que aguentava as pressões, Ben Bradlee. O que muita gente não sabe é que por trás desse grupo de jornalistas homens havia uma grande mulher que a história, assim como aquele roteiro, ignorou.

Quando o diretor Alan Pakula rodou em o clássico Todos os Homens do Presidente (1976), Robert Redford comunicou a Katharine Graham, proprietária do The Washington Post, que sua personagem não sairia no filme. “Ninguém entendia bem a função da proprietária e era complicado demais explicar (…). Para minha surpresa, me senti um pouco ferida porque prescindiram de mim totalmente”, conta Graham em sua autobiografia. Seu pai era o dono do Washington Post, mas quem herdou o posto, a princípio, foi seu marido. No entanto, depois de uma complicada história pessoal, foi Katharine, que assumiu as rédeas da empresa e transformou o jornal em uma referência no setor.

Agora, outra grande mulher, Meryl Streep, interpreta Graham em The Post, – A Guerra Secreta o filme sobre os papéis do Pentágono, outro marco do jornalismo. O filme recebeu seis indicações ao Globo de Ouro 2018, primeira festa de gala desde a sucessão de escândalos sexuais que abalaram a indústria cinematográfica e motivaram um protesto em que até o tapete vermelho da cerimônia se tingiu de preto contra o assédio.

A partir do dia 1º de fevereiro, quando a obra estreia por aqui, os brasileiros poderão conferir se Spielberg soube explicar, enfim, qual era a função de Katharine Graham e que ela mesma descreveu assim: “Minha função principal foi respaldar os chefes e repórteres, acreditar neles”. Provavelmente, o melhor, o mais jornalístico e o mais difícil dos papéis que se podia desempenhar naquele momento.

Confira o trailer de “The Post”:

*Informações de Mari Luz Peinado para o El País.


comentários

Seu comentário

E-mail (não será publicado)