Em pauta

Homenagem a um Guerreiro

Walter Pinheiro – Presidente da ABI

Sempre me chamava de “Antoninho” porque, a seu exemplo, tenho Antônio no nome. Tudo fruto de uma velha amizade, iniciada na segunda metade dos anos 60, quando França Teixeira revolucionou a radiofonia esportiva baiana.

Menino pobre criado no Bairro da Liberdade, com o seu vozeirão e muita coragem passou a empunhar um microfone e criou um estilo inconfundível. Na Rádio Cultura da Bahia, quando a sede ainda funcionava na Av. Euclides da Cunha, dominou o horário das 12 às 13 horas, com um programa ao vivo de alta audiência. Cunhou expressões tipo “Pau na Pleura”, “É ferro na boneca”, que a princípio incomodavam os conservadores, mas terminaram entrando para o cancioneiro popular, virando bordão e ganhando o mundo.

Sem “papas na língua”, como costumava dizer, tornou-se polêmico, conquistando amigos e desafetos. Só que tudo isso rendia estórias e ampliava a sua popularidade. Revelou muitos outros jovens, hoje talentosos profissionais na “arte da comunicação”. Na TV Itapoan também popularizou o jornalismo investigativo, ganhando ainda mais seguidores e admiradores. Daí para a política foi um pulo, e com facilidade elegeu-se por duas vezes deputado federal.

A vida, diga-se de passagem, não lhe foi fácil. A começar pela perda da esposa num acidente de carro. Seguiu-se uma depressão que o afastou da segunda legislatura, à qual veio renunciar pela impossibilidade de cumprir o mandato que o povo lhe conferiu.

Não demorou muito, veio a merecer do então governador Nilo Coelho uma vaga no Tribunal de Contas do Estado.

Egrégia Instituição à qual serviu até poucos meses atrás, enquanto os problemas hepáticos não lhe retiravam forças para exercer o cargo.

Assim foi Antônio França Teixeira, que, “para não perder o hábito com o público”, divertia-se escrevendo crônicas bem-humoradas, com muita verve, publicando-as na Tribuna da Bahia.

A fragilidade de sua saúde era conhecida, mas não se esperava que nos deixasse tão cedo. Só que o tempo não perdoa: “cochilou, o cachimbo caiu”, relembro mais um dos seus bordões.

Ficamos, então, sem o França, que aqui veio, viu e venceu. Advogado, radialista, jornalista, publicitário, foi um transformador, irrequieto, inconformado com as injustiças, e, por isso mesmo, deixou gravado o seu nome por onde passou, em especial na imprensa baiana, razão maior da homenagem que agora recebe de muitos, inclusive do “Antoninho”.

Em 19.07.2013

comentários

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *