Notícias

Jornalistas se unem para debater reconstrução do Sinjorba em assembleia

Associação Bahiana de Imprensa cedeu o Auditório Samuel Celestino para a atividade da categoria, no dia 4 de maio

O Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba) lançará no próximo sábado (4) as Eleições 2019, com escolha da comissão eleitoral em uma assembleia. A atividade acontece a partir das 9 horas, no auditório da Associação Bahiana de Imprensa (ABI). Às 10 horas, será realizada a segunda assembleia, na qual serão tomadas decisões sobre a vida financeira do sindicato. De acordo com a presidente do Sinjorba, Marjorie Moura, a categoria já promoveu três plenárias para discutir a reconstrução do sindicato e o restabelecimento dos laços com seus associados.

A assembleia ocorre em momento significativo para os jornalistas, uma vez que pesquisas indicam que a liberdade de imprensa está em declínio no Brasil, com a multiplicação de ataques a profissionais da comunicação, casos de censura, além de relações precarizadas, demissões em massa, más condições de trabalho nas redações e salários reduzidos. Para intensificar os desafios, o setor atravessa uma persistente crise de credibilidade e falta de mobilização dos trabalhadores, cada vez mais distantes das entidades de classe.

Todas essas preocupações tornam o papel do sindicato ainda mais relevante no cenário político e jornalístico. “A ABI é uma entidade coirmã e, generosamente, vai abrigar a categoria. Pode participar qualquer jornalista interessado no assunto”, destacou Marjorie Moura, à frente do Sinjorba há dez anos. A jornalista tem bem traçadas as prioridades do encontro, entre as quais estão a reestruturação da entidade e a reaproximação com a categoria. Segundo Moura, também é fundamental mobilizar os jornalistas para defender o Estado democrático e a liberdade de imprensa. “Nossa profissão está em crise, porque o formato antigo ainda prevalece na cabeça das pessoas. Precisamos conversar sobre nós mesmos. A eleição é um momento de aproximação”, ressaltou.

A jornalista Kardé Mourão acredita que pensar o jornalista enquanto trabalhador é cada vez mais urgente. “O perfil do jornalista brasileiro é forjado como profissional liberal. Ele não tem uma formação de trabalhador. Então, ele enxerga o sindicato como algo distante”, analisa a ex-sindicalista. Kardé atuou como presidente do Sinjorba de 2004 a 2010 e foi diretora da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) durante 18 anos. Para ela, a categoria desconhece o papel do sindicato. “A maioria dos profissionais liberais conhece desde a graduação as entidades de classe e os conselhos profissionais que regulamentam, fiscalizam e normatizam suas profissões. Nós não temos conselho. Os jornalistas lavam as mãos diante da necessidade de organização”, lamentou.

“Esse momento de retirada de direitos requer uma reação da sociedade. Não podemos nos abster de tentar dar um novo rumo ao sindicato. Os métodos que usamos até agora não encontram guarida nessa nova conjuntura, é preciso uma postura mais firme”, avalia. Há dois anos, ela se organiza em um grupo chamado “Jornalistas pela democracia”, através de um aplicativo de mensagens instantâneas. Nas eleições passadas, os jornalistas fizeram um manifesto que teve a chancela do Sinjorba. “Conseguimos cerca de 380 assinaturas contra um tipo de candidatura que pregava a intolerância, ódio, homofobia, misoginia e racismo”. (Leia aqui) “Agregar é a palavra. A principal bandeira é ‘Começar de novo’. O sindicato tem tudo para dar certo. Pode parecer piegas, mas a união ainda faz a força”, defendeu Kardé Mourão.

UNIÃO

Com 45 anos de atuação no jornalismo, Rogaciano Medeiros ressalta a importância do sindicato como instrumento de luta e defende sua reestruturação. O jornalista também pretende participar da assembleia do Sinjorba no sábado. Ele analisa o cenário político e cita o caso da censura de uma propaganda protagonizada por atores que representam diversidade racial e sexual, na última semana. Segundo ele, “o episódio vai à contramão de importantes conquistas sociais”. Ao lado de nomes como Mariluce Moura, Othon Jambeiro, Agostinho Muniz, Alberto Freitas, Carlos Navarro, Kardé Mourão, Zeca Peixoto e Giovandro Ferreira, Rogaciano realiza nas noites de terça, na Faculdade de Comunicação da UFBA (Facom), o fórum não partidário “Comunicação pela democracia”.

De acordo com o jornalista Alberto Freitas e ex-presidente do Sinjorba, a assembleia será o início da reconstrução da entidade.  “A própria categoria deixou de lado, ficando a carga toda na mão da presidenta e dos diretores. A minha geração já contribuiu bastante na direção, agora é hora da galera mais nova chegar junto”, destaca. Segundo ele, é hora de mobilizar e conscientizar. “Visitar redação, assessoria, que tem o maior contingente de profissionais ultimamente, e também atrair os estudantes de final de curso para começarem a tomar conhecimento, saber como é que funciona o sindicato e qual é seu objetivo”, aponta o jornalista.

Alberto Freitas começou a participar da organização sindical no final dos anos 1980. Ele vem da antiga Escola de Biblioteconomia e Comunicação, de uma geração que, diferentemente da atual, se interessava pela luta da categoria desde a época da faculdade. “A maioria já ia para a redação com o pé dentro do sindicato. Eram feitos muitos congressos na capital e no interior. Então, é isso que a gente quer retomar, esses eventos importantes, sempre serviram para reunir a turma. Claro que com uma nova linguagem, é outro momento. Daí a importância da participação da galera mais nova, apresentando sugestões e ideias”, opina.

RENOVAÇÃO

O jornalista e cientista social Murilo Bereta valoriza a luta dos membros da direção do Sinjorba e assume o papel de colaborador. “Importante que eles continuem com a gente neste momento de renovação”. Segundo ele, a assembleia vem de uma discussão antiga. “Acho fundamental a reestruturação do sindicato. Sempre bom ressaltar a importância de unir os esforços. Na Fenaj, por exemplo, não vai ter disputa nessas eleições. Eles entraram em um acordo e terão chapa de unidade. O momento é de união em defesa dos jornalistas, da atuação sindical e da democracia”, lembra.

Se depender de Yuri Silva, a categoria estará unida pela reestruturação do Sinjorba. O jornalista de 24 anos, com passagens pelo jornal A Tarde e Estadão, é coordenador do Coletivo de Entidades Negras (CEN). Assim como Bereta, ele reconheceu a atuação da diretoria da entidade e quer fazer parte do processo de renovação. “Essa assembleia é relevante para reconstruir um espaço que serve para pautar e desenvolver lutas e ações em defesa dos jornalistas. O momento é de reestruturação do Sinjorba”, disse. Para ele, o mais adequado é reunir os quadros da diretoria e ampliar. “Trazer gente nova e aprender com quem já está na luta há muito tempo”.

A jornalista Carla Bahia será outro reforço ao grupo de jornalistas mobilizados pela revitalização do Sinjorba. Ela é fundadora do coletivo “Eu Sou Jornalista” – projeto que reúne jornalistas e outros profissionais da comunicação, para promover o fortalecimento e valorização da profissão. O grupo integrado por ela realizou a pesquisa “Raio-x do Jornalismo Baiano”, para mapear o perfil profissional da área. “Os colegas não se enxergam como trabalhadores. Acho importante estimular o sentimento de pertencimento, de classe, o fortalecimento da profissão”, destaca. Carla Bahia observou a dificuldade de mobilizar a categoria. “Muito dispersa. Vou participar da assembleia. Entendo que esse momento é importante para nós e demanda esforços de todos”, reflete.

Leia também: Jornalistas empreendedores revelam desafios e possibilidades de negócios

comentários

Artigo anteriorPróximo artigo