ABI BAHIANA

Museu Casa de Ruy: um ano depois do roubo, acervo não foi recuperado

As comemorações pelos 170 anos de nascimento do jornalista, jurista e um dos expoentes da política nacional na virada do século XIX para o século XX se darão com uma marca da impunidade. Nenhuma peça além de um dos dois bustos de Ruy Barbosa foi recuperada, desde a divulgação do fato pela Associação Bahiana de Imprensa (ABI), no final de setembro passado. O Museu Casa de Ruy Barbosa foi invadido num fim de semana e peças como medalhas, canetas, óculos, taça – dentre outros objetos pessoais do Águia de Haia – foram furtadas. 

Os ladrões se aproveitaram da falta dos dois agentes de segurança contratados pela Faculdade Ruy Barbosa, atual Centro Universitário UniRuy | Wyden, responsável pelo Museu, através  de convênio celebrado com a ABI em 1998. Desde o dia 04 de outubro do ano passado, uma única peça foi entregue por um sucateiro à Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR-BA), onde foi registrada a queixa de “furto qualificado/arrombamento com subtração de bens”. O maior dos dois bustos levados pelos criminosos foi restaurado. A peça já ia ser derretida, quando o sucateiro viu, num programa de televisão, a repercussão das notícias divulgadas pela Associação Bahiana de Imprensa.

Helena Trindade, restauradora responsável pela retirada de  pontos oxidação, ferrugem e pela conservação, concluiu o trabalho de restauro. A obra recuperada pela ABI estava com uma camada muito grande de cera, fruto do procedimento incorreto de limpeza realizado durante anos. “Existiam três pontos oxidados e um quase enferrujado. O processo de retirada da cera acumulada foi a parte mais complicada”, relatou, feliz, depois de terminar a limpeza e demais procedimentos para conservação da peça.

Antes e depois de Busto do Águia de Haia após processo de restauro

 

Relembre a matéria da ABI sobre o roubo ao Museu Casa de Ruy Barbosa

Em 04 de outubro, um dos bustos foi devolvido à ABI

Desde 1935 a ABI têm posse legal do Museu Casa de Ruy Barbosa, arrematada em um leilão no início do século XX por Ernesto Simões Filho, na época, presidente do Jornal A Tarde. O arrombamento ao museu ocorreu durante um final de semana (entre 28 setembro de 2018, uma sexta-feira e 30 de setembro de 2018, domingo). Somente no primeiro dia útil de outubro uma funcionária da UniRuy a serviço do Museu percebeu que a porta fora arrombada e parte do acervo, roubado.

De acordo com Walter Pinheiro, presidente da ABI, identificados os responsáveis pelo descuido na proteção do acervo, a ABI informou ao Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e Ipac (Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia) sobre as 14 peças furtadas (fotografadas e catalogadas), além de requerer uma Perícia Judicial ao TJ-BA no intuito de salvaguardar direitos e interesses da ABI.

Investigação

O diretor de Patrimônio da ABI, Luís Guilherme Pontes Tavares, relembra com profundo lamento o ocorrido. “O episódio abalou a todos, ainda mais por causa das atitudes surpreendentes da Polícia Civil.” Segundo Tavares, instada na época a investigar e recuperar as peças roubadas, as autoridades responsáveis pela investigação optaram pelo silêncio. “Há quase um ano, a Polícia interrompeu o diálogo que possibilitava à ABI inteirar-se do andamento do processo de recuperação dos pares de óculos, caneta, medalhas, troféu e esculturas que pertenciam a Ruy Barbosa”, conta. 

“Este triste episódio permanece como uma dolorida ‘chaga’ a atingir todos aqueles que reverenciam o patrimônio histórico baiano”, lamenta Walter Pinheiro. Segundo o dirigente, um crime que parecia simples de ser desvendado “transformou-se em mais uma ocorrência sem solução nos escaninhos da delegacia”, observa.

Procurada para atualizar as informações sobre a investigação, a assessoria de Comunicação da Secretaria de Segurança Pública relatou que “o inquérito foi concluído pela Deltur e encaminhado para a Justiça, na segunda-feira (30). Um policial militar foi indiciado por receptação, após ele tentar vender um busto em bronze de Ruy Barbosa a um ferro velho. O autor do furto não foi localizado.

A ABI continua mobilizada para encontrar os objetos que pertenciam ao acervo da instituição e reintegrá-los às mais de centenas de peças em metal, louça, tecido e gesso, além de estatuetas, telas, mobiliário, livros e documentos diversos que se referem à vida, obra e trajetória do jurista. “Como consolo, tivemos a recuperação do busto em bronze, além das promessas de algumas instituições em enriquecer a Casa com outros itens pertencentes ao inesquecível “Águia de Haia”. Que o futuro nos seja pródigo”, completa Walter Pinheiro.

Reabertura 

Luís Guilherme Pontes Tavares aponta o fato da ABI ter em horizonte próximo a perspectiva de restaurar mais uma vez a Casa de Ruy Barbosa e restabelecer o funcionamento do museu que ela abriga e que atraía muitos visitantes desde a sua inauguração em 05 de Novembro de 1949. “Quiçá possamos reabri-lo em 17 de agosto de 2020, nos festejos dos 90 anos da Associação Bahiana de Imprensa”, projeta.

Após o roubo, Luís Guilherme esteve no Arquivo Público Municipal e pesquisou documentos de onze caixas, trazendo novos elementos para contar a história do equipamento cultural. Desde a aquisição em leilão público e as intervenções que o imóvel sofreu durante o século 20, sobretudo a partir da década de 1930. Naquela altura foi executado um projeto para a casa funcionar como museu. Desde então, a ABI se empenhou na doação de objetos que pertenceram ao jurista ou que tivessem relação com ele. “A sociedade e instituições baianas foram generosas e desses, é bom lembrarmos, de Luiz Viana Filho, da Santa Casa de Misericórdia e da Associação Comercial da Bahia” rememora o diretor de Patrimônio.

comentários

Artigo anteriorPróximo artigo