Notícias

No Dia do Jornalista, demissões, violência e prisões lembram os perigos da profissão

Todos os anos, as mais de 120 instituições de ensino superior do país jogam nas ruas centenas de jornalistas. Não é exagero dizer que grande parte do que chamamos de realidade nos chega pelos meios de comunicação, através do imprescindível trabalho do profissional que dá olhos, ouvidos e voz à sociedade. Hoje, 7 de abril, é comemorado no Brasil o Dia do Jornalista. Na véspera da data reservada para brindar a categoria, alguns profissionais não tiveram muito o que festejar. Uma das maiores empresas de comunicação do país acaba de promover na tarde desta segunda-feira (6) cortes em suas redações, atingindo, principalmente, repórteres do Estadão, e ainda podem alcançar mais de 100 postos de trabalho, alegando a necessidade de reduzir custos. Ao redor do mundo, notícias de sequestros, violência e prisões, na última semana, surgem para lembrar os perigos da profissão e alertar para a situação da liberdade de imprensa.

Os crescentes retrocessos da liberdade de expressão e o aumento de agressões a jornalistas são cada vez mais contabilizados e denunciados por diversas instituições que visam combater os assassinatos, casos de intimidação e ameaças que atingem o direito de informação. Mas os relatórios anuais indicam que um longo caminho ainda precisa ser percorrido na luta contra as pressões a que são submetidos esses profissionais.

Segundo o Portal IMPRENSA, no último dia 4 de abril o jornalista turco Yasar Elma foi condenado a 23 meses de prisão por “curtir” uma publicação crítica ao presidente Recep Teyyip Erdogan. O julgamento foi realizado no tribunal de primeira instância e a ação foi considerada um “insulto a um trabalhador público”.  “Havia apenas utilizado a ferramenta ‘curtir’ quando vi um comentário sobre o presidente. Apaguei depois de meia hora, mas o tribunal me condenou. Não sabia que gostar de um comentário era crime”, disse o jornalista. Desde agosto do ano passado, quando Erdogan assumiu a presidência do país, mais de 70 pessoas já foram julgadas por insultos ao seu governo.

Leia também: Liberdade de imprensa em risco na Turquia

Na Rússia, um jornalista foi vítima de sequestro-relâmpago no último domingo (5/4). Viaceslav Starodubtsev foi raptado e agredido após publicar uma série de denúncias contra políticos envolvidos em corrupção. Segundo a agência Ansa, Starodubtsev foi sequestrado por um grupo de homens encapuzados que, antes de libertá-lo, na cidade russe de Derbent, disseram que ele deveria deixar o Daguestão. A família do jornalista também foi ameaçada. Starodubtsev é autor de um projeto de jornalismo independente chamado “A minha Derbent”, que gera páginas nas redes sociais com denúncias sobre casos de corrupção no município. O prefeito Imam Yaraliyev chegou a definir o jornalista como seu “inimigo pessoal”. *Com informações do Portal IMPRENSA

comentários

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *