ABI BAHIANA, Notícias

Palestra de Pedro Simon analisa a conjuntura política brasileira

Desde que reuniu fatos marcantes da política recente do país nas suas memórias ao deixar o Senado, em dezembro passado, o político e advogado gaúcho Pedro Simon viaja o Brasil com palestras polêmicas, já tendo participado de quase 20 eventos em cidades do Sul, Sudeste e Nordeste. Nesta quinta-feira (14) foi a vez de a capital baiana receber um dos principais ícones do cenário político nacional, para uma conversa sobre o atual momento de crise político-econômica do Brasil e sua repercussão internacional. Aos 85 anos, Simon foi recebido no suntuoso palácio da Associação Comercial da Bahia (ACB), pelo presidente Marcos Fonseca, de quem recebeu uma medalha comemorativa aos 200 anos da instituição. O evento realizado em parceria com a Associação Bahiana de Imprensa (ABI) foi conduzido por um dos diretores das duas entidades, Pedro Daltro, e reuniu empresariado e imprensa locais. Conhecido ao longo da carreira pelos discursos firmes e indignados, Simon levantou temas polêmicos, entre eles os escândalos recentes que envolveram a Petrobrás.

Em seu discurso, o presidente da ABI, Walter Pinheiro, propôs um minuto de silêncio pelo falecimento, na manhã desta quinta (14) da professora Consuelo Pondé de Sena, diretora da ABI, Conselheira de Cultura da ACB  e presidente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB). Ao término da homenagem, Walter Pinheiro destacou a trajetória de Pedro Simon, cuja participação, segundo ele, foi imprescindível nos mais relevantes fatos políticos das últimas décadas. “A riqueza de sua vida pública está marcada pela defesa da Anistia. A partir daí, era identificado facilmente nas tribunas deste país, com um gestual forte, inconfundível, denunciando mazelas, defendendo os direitos humanos e a liberdade de expressão, buscando a implantação de uma sociedade mais igualitária e externando seus protestos, convicções e propostas para a construção de um Brasil melhor”, ressaltou. O dirigente convidou sua esposa, Gel Pinheiro, para entregar um buquê de flores a Ivete Fülber Simon, esposa do senador Pedro Simon e responsável por sua agenda de viagens.

20150514_181715
Foto: ABI

Simon analisou a crise econômica do país, abordando temas como corrupção, alternância de poder, infidelidade partidária e defendeu uma cruzada cívica para promover uma reforma política no Brasil. Ele recordou momentos decisivos da política nacional, como o suicídio de Getúlio Vargas, a renúncia de Jânio Quadros, a queda de João Goulart, os 20 anos da ditadura militar e a luta pela redemocratização do Brasil. Falou da CPI para cassar Collor e defendeu que agora seria o momento propício para mudar o país. Mas alertou para o “perigo” de as manifestações estarem difusas e não terem uma “liderança com credibilidade”, além de recomendar aos empresários que saiam às ruas para manifestar sua insatisfação sobre os problemas do país e apresentar soluções.

O ex-senador que atuou por 32 anos disse temer pela falta de rumos e pela ausência da busca de saídas da política brasileira se as lideranças não fizerem nada, pode ficar pior. Ele afirmou ter ficado especialmente impactado com o “ataque” à Petrobrás. “Esta empresa é a grande demonstração da garra, da competência do povo brasileiro. Se tivessem atacado minha casa, eu não sentiria tanto”, confessou. Os políticos, segundo ele, devem deixar para a Justiça o julgamento dos envolvidos no caso e se unir para recuperar os padrões éticos e morais da política brasileira. “Eu e minha mulher estamos viajando pelo Brasil, falando ao nosso povo. Meu objetivo não é pessoal. Eu não tenho mais um futuro na política partidária. Decidi sair por todos os cantos deste país porque minha consciência pede. Chegamos no fundo do poço, mas não há momento mais propício para firmar um pacto por todos os partidos porque o Brasil tem todas as condições de ser feliz”.Para ele, a política virou “um troca-troca”. “Esse é o grande escândalo do Brasil. O país não aguenta mais essa política. O momento que nós estamos vivendo é de rebeldia. Na verdade, a gente tem raiva das coisas que estão acontecendo. O Brasil nasceu para ser uma grande nação e vai ser”, destacou, em um misto de frustração e esperança.

Foto: ABI
Foto: ABI

Pedro Simon foi aplaudido pelos participantes do evento, que contou com os ex-governadores da Bahia, Roberto Santos e Waldir Pires, vereador de Salvador pelo PT-BA. Participaram também jornalistas, empresários, os diretores da ABI Pedro Daltro,Valter Lessa, Raimundo Marinho, Romário Gomes; o presidente da Assembléia Geral da ABI, Samuel Celestino, Ernesto Marques, Luís Guilherme e a presidente do Sindicato de Jornalistas da Bahia, Marjorie Moura.

Trajetória – Filho de libaneses católicos radicados no Rio Grande do Sul nos anos 1920, Simon vive a política desde o fim do Estado Novo de Getúlio Vargas. Quando o governo, por meio do Ato Institucional número 2, em 1965, extinguiu o pluripartidarismo e adotou o bipartidarismo, ele era membro do Movimento Democrático Brasileiro (MDB), partido de oposição à Aliança Renovadora Nacional (Arena), que dava sustentação ao regime militar. No final dos anos 1960 e início dos 1970, Simon usava sua experiência de advogado para ajudar presos políticos. Visitava delegacias de cidades gaúchas em busca de notícias de colegas capturados. Bancava festas de Natal para os filhos dos amigos presos pelo regime militar.Seu último momento de relevância como articulador político transcorreu após o impeachment de Fernando Collor. No final de 1992, Itamar Franco, que assumira a Presidência, convidou Simon a assumir a Liderança do governo no Senado.

comentários

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *