Notícias

Pesquisa mostra novo perfil empreendedor de jornalistas

A crise na imprensa mundial tem estimulado cada vez mais o surgimento de projetos independentes de jornalismo. No Brasil, a Agência Pública tem servido de modelo e inspiração para profissionais que ora não encontram vagas nas grandes redações, ora não se adequam ao jornalismo tradicional.

Observando essas mudanças do mercado, as pesquisadoras Ângela Ravazzolo e Karine Vieira, do curso de Jornalismo da ESPM-Sul , realizam um levantamento que aponta o novo perfil empreendedor dos jornalistas.

Para Ângela, existe um movimento crescente de projetos de jornalismo independente no Brasil. A aposta dela é que isso se tornará uma tendência cada vez maior diante da crise atual, embora ainda seja “preciso mensurar o quanto isso vai crescer e o quanto essas práticas vão se colocar em posição de rivalizar com a grande mídia”.

Karine compartilha dessa opinião e crê que essa tendência empreendedora vingará quando os jornalistas envolvidos nestas iniciativas encontrarem uma fórmula de manter esses projetos. “A questão do jornalismo independente é quem paga a conta. É a grande discussão não só no Brasil, mas em todo o mundo”, garante.

As pesquisadoras lembram que existem várias modelos capazes de manter essas iniciativas como o crowdfunding, as assinaturas e as bolsas de fundações nacionais e internacionais. No entanto, ressaltam que ainda é essencial que os envolvidos encontrem uma fórmula adequada para que esses projetos sejam saudáveis financeiramente e possam realmente se viabilizar por longo período.

Novo perfil

Embora a pesquisa tenha avaliado apenas iniciativas do Rio Grande do Sul, é possível verificar um padrão no perfil dos empreendedores. “Geralmente são jornalistas na faixa entre 27 e 35 anos de idade, que passaram por redações e que ou não encontram mais vagas ou querem fazer algo diferente do jornalismo tradicional”, reflete Karine Vieira.

Diante dessa realidade, muitos têm criados agências de conteúdo, cuja produção vai além das reportagens, abrindo espaço para trabalhos com redes sociais e branded content. “Esses jornalistas estão mais abertos às mudanças e estão tirando da cartola novas oportunidades de trabalhar com comunicação”, afirma Karine.

Apesar dessa vontade de busca pelo novo, Ângela Ravazzolo nota que esses profissionais têm dificuldades em gerir esses projetos. Primeiramente, porque as consultorias de novos negócios existentes no mercado não estão preparadas para apresentar soluções para negócios jornalísticos e, em segundo lugar, porque os próprios jornalistas têm pouca noção de como administrar suas iniciativas. “Muitos não tiveram uma formação de empreendedorismo e gestão de negócios e isso se torna um desafio para eles”, explica.

Em razão disso, esses jornalistas-empreendores estão aprendendo na raça a tocar suas empresas. “Vimos que cada novo projeto está aprendendo sozinho a colocar no papel o valor do trabalho jornalístico, porque não tinham como mensurar isso. Tem sido um constante aprendizado”, diz Ângela.

No entanto, as pesquisadores enxergam uma luz no túnel para resolver essa questão. Afinal, as mudanças das grades curriculares têm implementado disciplinas que ensinarão a nova geração de jornalistas a criar seus próprios planos de negócios e marketing, de forma que possam sair da academia com alguma noção de como gerir iniciativas próprias.

Para aqueles que não conseguiram aprender isso nos bancos das faculdades, as pesquisadoras recomendam cursos específicos de gestão de negócios, que podem ajudar os jornalistas que sonham com sua própria empresa.

*Informações de Vanessa Gonçalves para o Portal IMPRENSA

comentários

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *