ABI BAHIANA, Notícias

Prêmio OAB de Jornalismo Barbosa Lima Sobrinho divulga vencedores

A seção estadual da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-BA) tornou conhecidos os vencedores do prêmio OAB de Jornalismo Barbosa Lima Sobrinho, na sexta-feira (18). O evento, que teve o apoio e assessoria da Associação Bahiana de Imprensa (ABI) e do Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba) aconteceu no auditório da Ordem, na Piedade. Criado em homenagem ao advogado, jornalista e escritor Barbosa Lima Sobrinho e reativado pelo Conselho Pleno da OAB-BA, a iniciativa premiou os melhores trabalhos produzidos sobre o tema “Justiça e Direitos Fundamentais”, no período de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2014. Os vencedores receberam medalhas e certificados de premiação e mais R$ 5.000 para o primeiro colocado e R$ 3.000 para o segundo, em cada categoria. A mesa-alta da cerimônia contou com a presença do presidente da ABI, Walter Pinheiro – que esteve acompanhado dos diretores Agostinho Muniz, Romário Gomes e Luis Guilherme Pontes Tavares -, do secretário-geral adjunto da OAB-BA, Antonio Adonias, e da presidente do Sinjorba, Marjorie Moura.

O jornalista Bruno Wendel, do Correio, foi o vencedor na categoria imprensa escrita com a reportagem “Onde está meu filho?”, sobre o caso Geovane, e recebeu também uma placa comemorativa ao centenário de nascimento de Jorge Calmon. A reportagem revelou com exclusividade o caso do desaparecimento de Geovane Mascarenhas Santana, após uma ação policial no bairro da Calçada, em Salvador, em 2 de agosto de 2014, e cujos restos mortais foram encontrados no dia 3, no Parque São Bartolomeu, na capital baiana. O Ministério Público da Bahia (MP-BA) denunciou onze policiais militares lotados nas Rondas Especiais (Rondesp) pelo assassinato de Geovane.

Em segundo lugar na categoria imprensa escrita ficou a série Cadeia de Problemas, de Euzeni Daltro, no jornal Massa!. A matéria denunciou as condições das mulheres que aguardavam até 15 horas na fila para visitar internos do Complexo Penitenciário do Estado, na Mata Escura, sem o mínimo de dignidade e segurança, além da demora e abusos nas revistas íntima e de objetos.

Na categoria fotojornalismo, a vencedora foi Marina Silva, do Correio, com “A fé que une”, que retrata uma baiana dando um banho de água de cheiro em uma freira na Lavagem do Bonfim. Linda Bezerra, editora de Produção do Correio, recebeu o prêmio pela fotógrafa. Em segundo lugar, ficou Raul Spinassé, do jornal A Tarde, com uma emblemática foto da seca em “Seca deixa um terço da Bahia em emergência”.

A repórter da coluna Justiça do Bahia Notícias, Cláudia Cardozo, foi a vencedora da categoria web jornalismo com o Caso José-Pereira, uma série de reportagens sobre o vigilante condenado injustamente por estupro e homicídio de Adriane Melo de Jesus, 16 anos, em Vila de Abrantes, em 2011.

Em segundo lugar na categoria ficou Franklin Carvalho, jornalista do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5), com “História de sucesso revela importância da interação Justiça-comunidade”. A matéria trata de uma decisão judicial beneficiou a Fundação Canto das Artes, voltada para crianças carentes, e como um jovem egresso da Fundação foi estudar na Alemanha e, depois, foi aprovado para o mestrado em Música na UFBA. Na categoria rádio o primeiro lugar ficou com o repórter Igor Dantas Silva, da rádio CBN, com “Brasil: teoricamente democrático”. Não houve segundo colocado na categoria.

O presidente da OAB da Bahia, Luiz Viana Queiroz, ressaltou que a premiação foi um reconhecimento ao trabalho de toda a imprensa, não apenas dos premiados. “Um prêmio para celebrar a imprensa livre da Bahia, fundamental para a promoção da justiça e a defesa da democracia e dos direitos fundamentais no nosso estado”, destacou.

*Informações da OAB-BA

comentários

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *