Logo

No Banner to display

TVE exibirá série que homenageia o cineasta Guido Araújo

Por / 2 Comentários / 2 junho, 2017

Um tributo à trajetória do cineasta e criador da Jornada Internacional de Cinema da Bahia, Guido Araújo, será exibido pela TV Educativa da Bahia, a partir deste domingo (04/6), às 19h. A série semanal “O Senhor das Jornadas”, dirigida pelo cineasta Jorge Alfredo Guimarães, autor do longa documental “Samba Riachão” (2001), trará, em cinco episódios de 26 minutos, a história de uma força viva do cineclubismo e do cinema nacional.

A obra acompanha Guido desde o início na cidade de Castro Alves (BA), onde nasceu, passando pelo período em que foi estudar na Tchecoslováquia, até o regresso ao Brasil, quando dedicou-se à carreira de documentarista e se tornou professor da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Formador de gerações de cineastas baianos, Guido Araújo idealizou e sustentou por 39 edições a Jornada, que se tornou um dos acontecimentos cinematográficos mais importantes do país, dando visibilidade aos filmes de curta metragem e às produções locais.

“Guido sempre esteve presente na trajetória de todos nós, cineastas independentes, desde que criou a Jornada”, ressaltou Jorge Alfredo, que encontrou na vida de Guido o gancho para narrar como se desenvolveu o cinema na Bahia, durante a segunda metade do século XX. Em entrevista à ABI, o diretor contou que quando lançou, em 2012, o Caderno de Cinema online, a Jornada da Bahia estava com muitas dificuldades para acontecer. Então, ele teve a ideia de pedir um artigo a Guido e levou “um choque” ao receber o texto intitulado Ponto final da Jornada de Cinema da Bahia.

A partir daí, Jorge passou a se encontrar com Guido. “Eu sempre trazia pra casa um monte de coisas que Guido me dava, entre elas, cópias de seus filmes”. Ele percebeu que o cineclubista, responsável pela formação de tantos profissionais, havia deixado em segundo plano a sua própria obra, para se dedicar à Jornada. “Resolvi telecinar sete desses curtas e editar um livreto que viria acompanhado com um DVD com os filmes”, contou o diretor. A grande oportunidade para fazer o documentário sobre Guido surgiu com um edital da Ancine/Irdeb, em 2014.

“Quando começamos as filmagens, em 2014, Guido já estava com problemas de saúde, mas nas gravações de 2015 e 2016 ele estava bem mais debilitado. Felizmente, conseguimos realizar quase tudo que podíamos. Só não fomos na Tchecoslováquia por falta de verba”. Segundo ele, um Guido ativo e participante foi visto nos bastidores. “Guido sempre superou as adversidades e cumpriu todos os compromissos assumidos com a produção. Muito bom trabalhar com ele. Homenagear Guido é homenagear o cinema independente”, afirmou Jorge Alfredo, idealizador da campanha “S.O.S Jornada da Bahia”, que contou com grande adesão das classes artísticas e do audiovisual brasileiro.

Força viva

18839114_834005320088465_4250386230637718290_n

Aos 83 anos e mais de cinco décadas de luta pela afirmação da cultura na Bahia e no Brasil, Guido Araújo se diz realizado e agradece a Jorge Alfredo por ter levado a tarefa adiante. “A série é muito gratificante porque é uma maneira de resgatar o meu trabalho. Fico feliz em estar vivo para presenciar o reconhecimento e a preservação”.

Guido revela que, apesar de tudo, tem a sensação de dever cumprido. “Não fiz tudo o que eu gostaria porque as dificuldades foram imensas, tanto do ponto de vista financeiro quanto da liberdade de expressão. Não podemos esquecer que a Jornada sobreviveu à ditadura, com ideais democráticos, lutando por um mundo mais humano”, afirmou, relembrando o período em que reuniões da Jornada eram realizadas na ABI.

Questionado sobre um possível retorno da Jornada, mesmo sua voz cansada e pausada não conseguiu esconder o entusiasmo. “Seria uma alegria muito grande. Gostaria de ver os jovens com aquele mesmo sentimento de liberdade e autonomia em fazer um trabalho cinematográfico. Eu não tenho mais vigor, mas os jovens podem. Sobretudo, o Brasil precisa desse incentivo a produções independentes, autorais, que refletem liberdade de criação”.

O diretor Jorge Alfredo também lamenta a descontinuidade da Jornada e espera que o panorama mude. “É um absurdo a Bahia descartar um evento cultural de quatro décadas. Quero muito que divulguem a série, comentem cada episódio e repercuta bastante. Minha esperança é que a série cutuque o coração e as mentes dos gestores da cultura”.

Se depender do ator e diretor baiano Bertrand Duarte, essa história está longe do ponto final. O publicitário, que é gestor da Diretoria de Audiovisual (DIMAS), da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), salienta a grandeza da obra de Guido e a necessidade de se investir e incentivar a produção audiovisual. “Minha história com Guido vem do início dos anos 80, quando comecei a fazer teatro”. Ele conta que a Jornada foi o seu primeiro contato com o cinema baiano. “O olhar de Guido para determinados momentos históricos da Bahia é muito interessante. Uma observação aguçada se debruça sobre transformações que foram importantes no processo social da Bahia. Com sensibilidade e de forma poética, ele abordou, por exemplo, a decadência dos saveiros com a construção das estradas. Ele é um grande homem e um grande promotor do cinema brasileiro e mundial”.

Bertrand revelou que existe uma movimentação para o retorno da Jornada. “Nós estamos buscando meios para trazer de volta esse projeto. A exibição da série ajuda a fazer com que a juventude, que não teve acesso a essa poesia do cinema e não assistiu a produções locais, tenha conhecimento de sua importância”.

Confira o vídeo de abertura da série “O Senhor das Jornadas”:


comentários

2 Comentários

  1. […] TVE exibirá série que homenageia o cineasta Guido Araújo, por Joseanne Guedes (Assoc. Baiana de Imprensa) […]

  2. […] TVE exibirá série que homenageia o cineasta Guido Araújo, por Joseanne Guedes (Assoc. Baiana de Imprensa) […]

Seu comentário

E-mail (não será publicado)