ABI BAHIANA, Geral

Morre o historiador baiano Luis Henrique Dias Tavares

É com pesar que noticiamos o falecimento do historiador baiano Luis Henrique Dias Tavares, aos 94 anos. A passagem do professor foi comunicada à Associação Bahiana de Imprensa (ABI) pelo diretor da entidade, seu filho Luís Guilherme Pontes Tavares. Dias Tavares é imortal da Academia de Letras da Bahia, autor de obras importantes como o livro “História da Bahia”, que reuniu há mais de seis décadas dados raros sobre a formação do povo baiano, detalhes das povoações em cada região e as lutas contra o despotismo. Ele recebeu da ABI, em 2012, a medalha Ranulfo Oliveira.

Luis Guilherme Pontes Tavares e Luis Henrique Dias Tavares no evento 200 Anos de Imprensa, 2011 – Foto: Carlos Souza/Acervo Fundação Pedro Calmon

Luís Henrique Dias Tavares nasceu na cidade de Nazaré, Bahia, em 1926. Cursou Geografia e História, Bacharelado e Licenciatura, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade Federal da Bahia (1948 – 1951). É Doutor em História por concurso de Livre Docência, com defesa de Tese, prova escrita e oral. Tem Pós-Doutorado na Universidade de Londres (1977 – 1978, 1982, 1984, 1986), com pesquisas em Arquivos (FOREIGN OFFICE RECORD’S), e Bibliotecas (BRITISH LIBRAY), ocasião em que escreveu o Livro Comércio Proibido de Escravos. Foi Diretor do Arquivo Público do Estado da Bahia no período de 1959 a 1969.

É Professor Emérito da Universidade Federal da Bahia e Doutor Honoris Causa da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), além de sócio da Academia Portuguesa de História e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. É também autor de livros de ficção e história. Recebeu, da Academia Brasileira de Letras, prêmios literários por sua ficção quanto por sua produção acadêmica no campo da História. Cavaleiro da Ordem do Dois de Julho, título outorgado pelo Governo do Estado da Bahia em 2011. É sócio Emérito do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia.

  • Confira entrevista concedida pelo professor ao jornalista Vagner Campos, para a EDUFBA.
  • Relembre a trajetória de Luis Henrique Dias Tavares através da página dedicada a ele na Biblioteca Virtual Consuelo Pondé (aqui).

Livros publicados

Ficção

  • A noite do Homem (Contos), Coleção Tule, Imprensa Oficial do Estado,1960.

  • Moça sozinha na sala (Crônicas), São Paulo, Martins Editora, 1960.

  • Menino pegando passarinho (Crônicas),Rio de Janeiro, Tempo Presente, 1966.

  • O Sr. Capitão/ a heróica morte do combativo guerreiro (Novela), Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1969. Há 2ª edição, Ática.

  • Homem deitado na rede (Crônicas), Rio de Janeiro, Organização Simões, 1969.

  • Almoço posto na mesa (Contos e Crônicas), Salvador, EGBA, 1991.

  • Não foi o vento que a levou (Novela), Salvador, Casa de Jorge Amado e Edufba, 1996.

  • Sete cães derrubados (Crônicas), Salvador, Casa de Jorge Amado e Edufba, 1999.

  • Nas margens, no leito seco (novela). Salvador: Edufba, 2013.

História

  • As idéias revolucionárias do 1798. Cadernos de Cultura, Ministério da Educação, 1956.

  • História da Bahia, 9ª Edição, Correio da Bahia, 1999: 10ª edição, Salvador, São Paulo, EDUFBA em parceria com à UNESP, 2001.

  • O movimento revolucionário baiano de 1798 (Tese de Concurso), Salvador, Imprensa Oficial, 2001.

  • O problema da involução industrial da Bahia, Salvador, Centro editorial e Didático, 1966.

  • Duas reformas da educação na Bahia: 1895 e 1925, Centro Regional de Pesquisa Educacionais, 1969.

  • Curso de História do Brasil, volume I, Salvador, Centro Editorial e Didático, 1971.

  • História da Sedição Intentada na Bahia em 1798, São Paulo, Pioneira Editora, 1975.

  • Pedro Calmon, Salvador, Fundação Cultural do Estado, 1977.

  • A Independência do Brasil na Bahia, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1ª edição, 1977: 2ª edição, 1982.

  • Manuel Vitorino: Um político da classe média, Brasília, Rio de Janeiro, Senado Federal e Fundação Casa de Rui Barbosa, 1981.

  • O fracasso do Imperador, paradidático, Ática, 1986.

  • Comércio proibido de escravos, São Paulo, Editora Ática, 1988.

  • A Conjuração Baiana, paradidático, São Paulo, Ática, 1994.

  • Bahia: 1798, São Paulo, paradidático, Ática, 1995.

  • Nazaré, Cidade do Rio Moreno, Salvador, Secretaria de Cultura e Turismo, 2003.

  • Da sedição de 1798 à revolta de 1824 na Bahia, Salvador, São Paulo, EDUFBA, UNESP, 2003

  • Bahia, 1798 (paradidático ilustrado por Cau Gomes). 1.ed. Salvador: Egba, 2010; 2.ed. Salvador: Edufba, 2012.
  • Abdicação de Pedro I. Derrota do absolutismo (paradidático ilustrado por Gentil). Salvador: Edufba, 2013.

comentários

Artigo anteriorPróximo artigo